Sozinho a desenhar


Tudo era diferente

Posted in Papel por Hugo Torres em Outubro 11, 2005

Desta vez, tramei-o bem! Foquei-lhe a mão, os dedos vibrantes pela serra eléctrica em labor. Enfiava-os boca adentro. Tudo para cima, para os lados era conhecido: a luz, a parede, o tecto, a bata. Decidi-me por um filme mais chocante: mutilavam-me dente boca adentro – ou curavam-no: é tudo o mesmo –, fotografia por fotografia, imagem por imagem.
Uma seringa, mais cedo, impedia-me agora dos horrores das dores no osso, no nervo; o transpirar, a lágrima e o grito olho e goelas fora. O barulho era de quem corta o ferro – quase ouvia a forja, lá no fundo. O homem não tinha boca, nariz, nem bigode: era só uma mão, os dedos, a serra do ferro nos dedos, e uns olhos atentos, a não ligar aos meus.
Podia dilacerar-me todo o buraco, não sentiria. A boca estava em coma, com uma garganta a adormecer. Respirava um espirro há tempos, numa comichão desenfreada de unhas atadas, hesitante. Era possuidor de um maxilar que estaria, por certo, no final, irremediavelmente torto ou aberto para sempre.

Já nem um rebuçado me dão.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: