Sozinho a desenhar


Oração da Tarde, de Rimbaud

Posted in Post-it por Hugo Torres em Maio 22, 2007

Vivo eu sentado, tal um anjo às mãos de um barbeiro,
Empunhando uma caneca de enormes caneluras,
O pescoço e o hipogástrio curvos, o cachimbo inteiro
Nos dentes, sob o ar enfunado por velas imaturas.

Tais os excrementos bem frescos num velho pombal,
Mil Sonhos em mim alastram sua doce calcinação:
Depois por instantes meu triste coração é um pinheiral
Sangrado de ouro jovem e sombrio pela resignação.

Depois, quando já engoli meus sonhos em amenidade,
Volto-me, com umas trinta canecas viradas de borco,
E recolho enfim, para verter a amarga necessidade:

Doce como o próprio Senhor do cedro e do hissopo,
Mijo para os escuros céus, longe e em profundidade,
Os grandes heliotrópios dando seu assentimento chôco.

(Rimbaud, Arthur (1995). Cartas do Visionário – e mais nove poemas. Coimbra: Fora do Texto)

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: