Sozinho a desenhar


Posted in Papel por Hugo Torres em Maio 30, 2007

dá-me a luta por que anseio:
deus, não te trouxe mal algum para me deixares à espera.
não me descanses as luzes nas mãos.
não me provoques o bloco roído de notas. dá-me um cruzeiro de livros, um professor que me faça chorar. a mais desenfreada estória de amor – uma loucura epidérmica na mais terna raiz poética. um abraço biológico, sério – uma aguarela, enfim. algo que manche um sorriso teimosamente amarelo. entra, deus, pelas tuas árvores adentro. come comigo o pão que dividiste e multiplicaste. não me vás, agora tu!, deixar só. dá-me um amigo que me leve ao futebol, ao cinema, que me recite Cesariny e Herberto Hélder. estás a levá-los todos embora. sinto-lhes a falta como da água que me limpa os excessos da noite, como dos lençóis que me escondem as vergonhas frias da madrugada.
antes uma ambulância que me plante, a norte, uma flor.

Anúncios

2 Respostas to ''

Subscribe to comments with RSS ou TrackBack to ''.

  1. verdinha said,

    “não há noite tão longa que não encontre o dia”

  2. verdinha said,

    “nao há noite tão longa que não encontre o dia”


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: