Sozinho a desenhar


«Record Label: unsigned»

Posted in Pauta por Hugo Torres em Janeiro 13, 2008

Que o mundo é pequeno e de demais juízos sociais, já tínhamos conhecimento. Contudo, é sempre giro ver o denominador comum de dois pedaços de planeta que pensávamos tão díspares. (Ou que nunca considerámos juntos. Adiante.) Aí está ele, aí em baixo, no vídeo, protagonizado pelo bom amigo de início de tempos universitários, o Estevão (Gomes), mais «o Né», de Vila do Conde, conhecido por amigos presentes de outros relógios, de outras coordenadas, a dar música às gentes com o – agora – duo The Portugals. O tema chama-se Give it to me. Vale a pena a música, mas também o vídeo, filmado em Braga. Segue:

Anúncios

e eu… aqui

Posted in Pauta por Hugo Torres em Dezembro 9, 2007


Chatterton, Seu Jorge com Ana Carolina

Portugal! Portugal!

Posted in Pauta por Hugo Torres em Novembro 22, 2007

Não. Não é futebol: os Led Zeppelin vão entrar em digressão mundial em 2008, com The Cult como banda de suporte. E mais não se sabe. Que palcos acolhem a reunião? Não se sabe. Se colocar uma bandeirinha à janela funciona?

led-zeppelin.jpg

doce brisa

Posted in Pauta por Hugo Torres em Novembro 16, 2007

Quem disse que os jornais impressos servem para muito pouco? Quase nada. Enganou-se, está claro. A Internet é tão prolífera que em vez de ajudar atrapalha. São os danos colaterais da coisa. Os jornais – impressos – (um apenas, vá) mostraram-me esta menina que agora vos deixo. (Nada prova que não a acabasse por encontrar na rede. Mas a verdade é que não foi o que aconteceu.) Chama-se Brisa Roché, tem novo álbum – Takes.

a ver, a ver, a ver…

Posted in Pauta,Película,Sugestão por Hugo Torres em Setembro 7, 2007

Ontem, hoje e nos próximos dois dias estou pelo Festival Internacional de Vídeo Musical da Póvoa de Varzim. Podem acompanhar as andanças no blogue que o Rascunho criou propositadamente para a iniciativa, aqui. Para já, na companhia têm andado os amigos Miguel e Gonçalo. Apareçam – quem não estiver de vermelho.

Posted in Pauta,Sugestão por Hugo Torres em Agosto 27, 2007

o Hélder pediu-me para falar sobre música. em 2007. foi o que fiz. outros se seguirão.

concertos para hoje e amanhã: Noites Ritual

Posted in Pauta,Sugestão por Hugo Torres em Agosto 24, 2007

Devidamente noticiado aqui e aqui, este festival caseiro [adjectivo carinhoso] vem sendo hábito pessoal dos últimos anos. 2007 não vai ser diferente. E lá estaremos, no Palácio de Cristal, no Porto, para as Noites Ritual. Born a Lion, Riding Pânico e os novos sets de Clã e David Fonseca são as curiosidades para o vivo.

noites_ritual_07.jpg

Pescadinha de rabo na boca

Posted in Pauta,Post-it por Hugo Torres em Agosto 23, 2007

Os Clã ofereceram ontem a meia centena de seguidores um ensaio geral, num armazém fechado da natal Vila do Conde. (Aos seguidores e a mais punhado, bem significativo, de jornalistas, se é que estes diferem dos outros – aproveito esta caminhada em segundo discurso, já que ela lá estava, para reiterar aqui o meu quando for grande quero ser: a Inês Nadais, do Público, que me encanta mais e mais a cada novo texto, porque me agarra do início ao fim do mais comprido, sem bocejos, sem distracções, com o famigerado brilho nos olhos que os outros, do seio dos seus conhecimentos avassaladores, não arrancam.) Tinha noticiado a coisa aqui, a par do lançamento do novo single, Tira a Teima.

Fui como admirador, não como comentador, com excelente companhia – duas meninas: esta e esta.

Pois bem, as músicas do novo álbum estão excelentes, as novas interpretações de GTI e Topo de Gama estão bem, sim, senhor (melhor a primeira que a segunda), o tema que ficou de fora do alinhamento do disco dá bom pão para surpresas nos concertos e as letras do Tê, numa primeira audição, estão lindíssimas – e eu nem sou grande apreciador do rapaz.

Coisa houve que não agradou nem um pouco: o velho e costumeiro atraso. Pior: com o pessoal primeiro cá fora ao vento gelado do litoral norte e depois lá dentro, rabo no chão duro, à espera, à espera, à espera… Irritou-me particularmente porque não jantei para chegar às 21h00 em ponto e, mais, quase revolucionei os horários da rotina caseira para arranjar um carro que nos levasse a bom porto.
A coisa passou com o início do concerto. (Do ensaio, perdão.) Mas o chão, as costas, a posição dolorosa, as pernas sem eira nem beira… Quem me deu o Theatro Circo, o CCVF, a Casa da Música e a Casa das Artes de Famalicão estragou-me. Podem acusar-me de snobismo. Não digo que não. Mas se já não gosto de ouvir música de pé, sentado no chão, no cimento, é um martírio. Não sei se será tanto uma atitude burguesa, se a simples vontade de dedicar todos os esforços do corpo ao que se passa em palco em vez de o dispersar pelos músculos que, culpa própria – bem sei –, já não demonstram a mesma vontade de outras estações.

Assumo o cada vez maior conforto do espectador como prioridade do copo onde é servido – mesmo que – o melhor dos sumos. Tal como escrevia Beatriz Pacheco Pereira, em Março de 1999, mas sobre cinema: «Eu, pecadora, me confesso. Desde que me habituei a ver filmes em boas poltronas, com som do melhor e um écran de todo o tamanho, não aguento ver filmes, por melhores que eles sejam, em piores condições que estas.» ¹

¹ cf. Beatriz Pacheco Pereira, 2000. Pre-Textos de Cinema. Porto: Granito/ Cinema Novo

o pequeno absurdo

Posted in Pauta por Hugo Torres em Agosto 20, 2007

não sabia que estas coisas ainda se faziam. e já tinha o nosso cantinho português como capaz de produzir novos sons à altura de qualquer outro mercado do mundo. exemplo: os Sizo (Porto) e os Catnap (Brighton, Reino Unido). mas hoje chegou uma coisa à caixa de e-mail. (chegam muitas coisas à caixa de e-mail!) uns rapazes vão lançar um disco. a demo, ao que parece, fez sucesso na crítica especializada, no ano passado. e agora é que vai ser! um álbum.

confesso paciência muito curta para o género – diz-nos a página MySpace dos tipos: Metal/ Rock/ Gothic. não lembro de nada decente que tenha saído das hostes portuguesas no que a este último rótulo diga respeito. de qualquer das formas, não sigo de perto há largos anos (talvez nunca tenha prestado a devida atenção, até). e dou barato que estes lisboetas façam melhor (ou soem melhor: não sei até que ponto não será uma mera questão logística) que aqueles que ouvi faz muito tempo – como Sarcastic ou Heavenwood (embora estes tivessem um sentido de melodia bem mais apurado).

mas, então, o que me traz? nada de novo so far… [risos] é precisamente isto: o comunicado de imprensa chega à imprensa portuguesa… em inglês – vá, sejam simpáticos comigo: uma demo, primeiro álbum para sair… hum… eles devem querer sair na NME ou na Blitz? [a correspondência no género será a Metal Hammer e a Loud!] depois, os meninos fazem o favor de traduzir. como quem desculpa os burrinhos do canto da sala. contudo, algo lhes corre mal. e quando nos armamos em espertalhões, ou sabemos minuciosamente e com absoluta certeza o que estamos a fazer, ou podem facilmente cair-nos em cima (a conversa da humildade e assim…). exemplo concreto: «few months passed» não tem versão portuguesa em «passados largos meses». não queriam fazer a simples tradução? tudo bem. mas informações divergentes – mesmo que pouco relevantes – não podem coexistir.

o brinde chega com o cartaz, que anuncia em inglês a passagem do colectivo por… Lisboa e Porto. não sou um purista da língua. mas sou contrário ao ridículo público.

e agora vou ter um rasgo do cordialidade: não vou divulgar o nome colectivo dos rapazes. moralidade: não lhes dou audiência a partir deste blogue. (e gostava que os artistas percebessem a importância dos vizinhos.)

bang bang

Posted in Pauta por Hugo Torres em Agosto 10, 2007

E se trocarmos a Nancy pelo Jack, o apelido Sinatra pelo White – como fica? Não vai mal, não, senhora. No caso, não fica nem perto do original (que Tarantino mostrou no cinema em Kill Bill), mas o exercício é válido. E fica aqui para darem uma olhadela. (O tema é paixão partilhada com esta menina. Os meninos que aqui se apresentam deram ao mercado um dos melhores discos de 2006, Broken Boy Soldiers.)

Bang Bang (My Baby Shot Me Down), The Raconteurs (ao vivo, Lowlands ’06)

Página seguinte »